Musicoterapia para crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Publicado em 3 de dezembro de 2018

Pais de crianças com TEA estão sempre à procura de alguma alternativa para melhorar a vida destas crianças, e uma destas alternativa é a musicoterapia. Como os estudos randomizados anteriores sugeriram benefícios positivos da musicoterapia nos resultados sociais e de comunicação em pacientes com transtorno do espectro do autismo, pesquisadores elaboraram um estudo para determinar se a música traz benefícios a longo prazo para crianças com TEA.

As crianças com TEA de nove países, com idades entre quatro e sete anos, foram matriculadas de 2011 a 2015, com acompanhamento até um ano após a inscrição. As crianças não tiveram contato com musicoterapia por pelo menos 12 meses antes da matrícula. Todas as crianças do estudo receberam tratamento padrão aprimorado. As crianças foram aleatoriamente designadas para um grupo de controle ou para um dos dois tratamentos ativos – musicoterapia de baixa intensidade, uma vez por semana ou musicoterapia de alta intensidade (três vezes por semana). Cada sessão de musicoterapia, que durou 30 minutos, foi uma sessão de improvisação, na qual a criança e musico terapeuta espontaneamente criaram a música juntos. Cuidados padrão aprimorados envolveram o cuidado usual para uma criança com transtorno do espectro autista e aconselhamento parental. Os investigadores foram cegados para atribuição de grupo de assunto.

Os dados coletados na inscrição incluíram o quociente de inteligência (QI) de testes padronizados ou uma estimativa de funcionamento para crianças que não puderam concluir um teste de QI. Os pais também completaram medidas de responsividade social e qualidade de vida da criança tanto para a criança quanto para a família. As crianças foram reavaliadas aos dois, cinco e 12 meses após a randomização.

O desfecho primário de interesse foi uma medida de afeto social, comparando o escore na inscrição com a pontuação no final de cinco meses de intervenção. Os indivíduos que avaliaram as crianças variaram de país para país, mas todos receberam treinamento sobre o uso da ferramenta de influência social. O estudo atribuiu aleatoriamente 364 crianças, 182 para o grupo controle e 182 para o grupo de tratamento (91 cada uma para musicoterapia de alta intensidade e baixa intensidade). Números semelhantes de crianças em cada grupo completaram a intervenção e avaliação.

O estudo foi encerrado precocemente após uma análise interina planejada, portanto os resultados apresentados são limitados em relação à intervenção e período de acompanhamento originalmente planejado. Com relação ao desfecho primário, os grupos de tratamento e controle experimentaram uma leve redução no escore de afeto social, em direção à melhora. No entanto, a diferença nos escores indicava que não houve diferença significativa no desfecho entre os grupos de musicoterapia e controle. Diferenças semelhantes foram encontradas quando se compara apenas o grupo de alta intensidade ou o grupo de baixa intensidade versus o grupo de controle. Mesmo entre os desfechos secundários, as diferenças foram limitadas. Os investigadores concluíram que a musicoterapia de improvisação, quando adicionada ao cuidado padrão aprimorado,

Esta é sem dúvida uma descoberta muito decepcionante para pais e profissionais que cuidam de crianças com TEA. Encontrar qualquer opção terapêutica que melhore a vida dessas crianças e de suas famílias seria de grande importância. Na discussão, os autores do estudo fazem um ponto muito importante: é difícil garantir a fidelidade da intervenção e avaliação em locais multicêntricos quando se tem financiamento limitado. Por exemplo, teria sido melhor para um único avaliador avaliar todas as crianças (por vídeo, por exemplo) do que ter um avaliador diferente em cada local.

No entanto, a mesma limitação estaria operando em qualquer esforço para implementar amplamente a música como uma opção terapêutica. Só porque algo se mostra eficaz em um ensaio clínico muito controlado, não significa que será tão eficaz quando implementado sob parâmetros menos rigorosos no atendimento médico diário. Não foi intenção dos investigadores fazer deste um teste de implementação, mas, de certa forma, é apenas isso, dada a variabilidade de avaliação de site para site. Eles também apontam que o seu pode não ser o único resultado importante para as famílias quando se trata de fazer com que seus filhos participem da musicoterapia, e isso é certamente algo que não deve ser completamente descartado.

Apesar deste resultado em um trabalho, acredito que os pais que tenham observado alguma melhora para seu filho, continue fazendo a musicoterapia ou alguma iniciativa musical.

Saiba mais:

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Music Therapy and Autism Spectrum Disorder: Any Lasting Benefit? – Medscape – Oct 20, 2017.

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias

faça uma doação