Jovens Adultos com Autismo em Risco Significativo de Depressão

Publicado em 26 de novembro de 2018

Jovens adultos com Transtorno do Espectro Autista (TEA) particularmente aqueles que têm um funcionamento relativamente alto, têm um risco maior de depressão do que seus irmãos sem TEA e que a população em geral, sugere uma nova pesquisa.

O estudo publicado de agosto no JAMA Network Open, avaliou dados de quase 224.000 indivíduos na Suécia, incluindo mais de 4000 com ASD. Até onde sabemos, nenhum estudo anterior de base populacional destacou as diferenças gritantes na depressão de risco entre indivíduos com TEA pela presença ou ausência de deficiência intelectual ou usou comparações entre irmãos para demonstrar aumento do risco de depressão entre indivíduos com TEA além de qualquer a influência da genética compartilhada e dos fatores ambientais, observaram os da Bristol Medical School da Universidade de Bristol, Reino Unido.

Dada a alta carga de depressão entre os indivíduos com TEA, um foco maior na identificação e tratamento oportunos da depressão é importante, considerando que é uma causa potencialmente tratável de sofrimento, incapacidade e comportamentos suicidas segundo eles.

Os pesquisadores analisaram dados de mais de 220 mil indivíduos que foram acompanhados até os 27 anos de idade como parte do estudo de Estocolmo Youth Cohort. Um total de pouco mais de quatro mil tinha TEA, sendo que três mil sem deficiência intelectual e mil e cem com deficiência intelectual.

Os diagnósticos de depressão foram obtidos do Registro de Pacientes Psiquiátricos Adultos do Condado de Estocolmo e do Registro Nacional Sueco de Pacientes. Entre as idades de 18 e 27 anos, 20% dos indivíduos com TEA foram diagnosticados com depressão. Esta taxa foi três vezes maior do que pessoas controle da população (6,0%, risco relativo ajustado).

Entre aqueles com TEA, a depressão foi mais comum em indivíduos com maior funcionalidade sem deficiência intelectual do que em seus pares com deficiência intelectual (24% vs 9,%;).

Isso ressoa com resultados de estudos menores e relatos de casos sugerindo que aqueles com maior capacidade cognitiva e, portanto, insights em ser diferente podem ser mais propensos à depressão.

Os irmãos não-autistas e meio irmãos de indivíduos com TEA também apresentaram maior risco de depressão comparados com pessoas controle populacional. Este achado é consistente com um estudo recente que encontrou uma maior carga de transtornos afetivos em irmãos de indivíduos com TEA, em comparação com irmãos de um grupo controle de crianças não autistas, relatam os pesquisadores.

Indivíduos com TEA tinham mais do que um duplo risco para depressão na idade adulta jovem em relação aos seus irmãos completos não autistas, sugerindo um mecanismo diferente das características familiares compartilhadas, escrevem os pesquisadores.

Os pesquisadores também observam a importância de seu achado de que cerca de metade dos indivíduos com TEA e depressão foram diagnosticados com TEA após receberem um diagnóstico de depressão. Esse achado ressalta a importância de reconhecer que, apesar do aumento da conscientização e reconhecimento, muitos indivíduos com TEA, especialmente aqueles sem comprometimento cognitivo, recebem um diagnóstico tardio, muitas vezes depois de passar por outros problemas psiquiátricos.

As pessoas que são diagnosticadas com TEA mais tarde na vida, muitas vezes relatam estresse de longa data em relação ao isolamento social e bullying. Eles geralmente sabem que são diferentes, mas não têm o quadro explicativo do ASD para ajudá-los a contextualizar suas dificuldades, ressaltam os pesquisadores.

Embora mais pesquisas sejam necessárias para obter uma compreensão mais completa, nossos resultados podem sugerir que receber um diagnóstico de TEA poderia amortecer parcialmente um risco ainda maior de depressão, ajudando as pessoas a entender suas dificuldades e buscando suporte relevante de educação, saúde ou serviços sociais.

Saiba mais:

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: JAMA Network Open. Publicado online em 31 de agosto de 2018

Young Adults With Autism at Significant Risk for Depression

O apoio para o estudo foi fornecido pela Baily Thomas Charitable Foundation; o Conselho Sueco de Pesquisa para Saúde, Vida Profissional e Bem-Estar; o instituto nacional para o centro de pesquisa biomedicável da pesquisa da saúde na universidade hospitais Bristol National Health Service Foundation Trust; e a Universidade de Bristol

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias

faça uma doação